26 novembro, 2010

YES: Starship Trooper





Yes - Starship Trooper


I. Live Giver

Sister Bluebird flying high above,
Shine your wings forward to the sun.
Hide the myst'ries of life on your way.
Though you've seen them, please don't say a word.
What you don't know, I have never heard.

Starship Trooper, go sailing on by,
Catch my soul, catch the very light.
Hide the moment from my eager eye.
Though you've seen them, please don't tell a soul.
What you can't see, can't be very whole.

Speak to me of summer, 
long winters longer than time can remember,
The setting up of other roads, to travel on in old accustomed ways.
I still remember the talks by the water,
the proud sons and daughter that,
Knew the knowledge of the land,
that spoke to me in sweet accustomed ways.

Mother life, hold firmly on to me.
Catch my knowledge higher than the day.
Lose as much as only you can show.
Though you've seen me, please don't say a word.
What I don't know, I have never shared.

II. Disillusion

Loneliness is a pow'r that we possess to give or take away forever.
All I know can be shown by your acceptance
of the facts there shown before you.
Take what I say in a diff'rent way and it's easy to say
that this is all confusion.
As I see a new day in me, I can also show it you and you may follow.

Speak to me of summer, 
long winters longer than time can remember,
The setting up of other roads, to travel on in old accustomed ways.
I still remember the talks by the water,
the proud sons and daughter that,
Knew the knowledge of the land, spoke to me in sweet accustomed ways.

III. Wurm

(Instrumental)




20 novembro, 2010

LABIRINTO E RIZOMA: a temporalidade na cibercultura, por Ana Elisa Antunes VivianiI








LABIRINTO E RIZOMA: a temporalidade na cibercultura
Ana Elisa Antunes Viviani*


Resumo: O intuito deste trabalho é investigar as modalidades do tempo na cibercultura através da idéia do
labirinto presente no conto de Jorge Luis Borges, O jardim dos caminhos que se bifurcam, e do conceito de
rizoma de Gilles Deleuze e Félix Guattari. Como se verá, os dois textos mostram que existe uma forte ligação
entre o espaço e o tempo, o que nos remete diretamente a Henri Bergson e seu conceito de duração, ligado ao tempo existencial e destituído de mensurabilidade. Esta articulação nos permite compreender como os usuários do ciberespaço deixam-se absorver pelas conectividades do virtual.

Palavras-chave: labirinto, rizoma, temporalidade, espacialidade, Bergson

*****

A cibercultura1 tem se caracterizado por vários fatores, mas principalmente pela
compressão do espaço e do tempo, isto é, pela superação das distâncias espaciais e pela
experiência de imediatez do tempo real, ambos efeitos proporcionados pela confluência das
redes telemáticas com as tecnologias digitais e do virtual. Como escreve André Lemos, ao
recuperar Michel Maffesoli, o homem participante da cibercultura está constantemente atrás
da “conquista do presente” (LEMOS, 2004, p. 64).

Mas é possível perceber que juntamente com o tempo real convivem outras
temporalidades, como a do eterno retorno, identificada com o tempo do ritual e do mito, um
tempo que constantemente volta ao seu início e que portanto é dotado de reversibilidade
(LEMOS, 2004, p. 133-134), diferentemente da flecha do tempo, que aponta sempre para o
futuro, para o progresso, e portanto irreversível. No entanto, existe também um outro tempo
que se articula com esse tempo real e que não é mensurável, pois está ligado à duração da
experiência. É o tempo em que nos deixamos absorver em nossas múltiplas conexões virtuais,
em nossos entrelaçamentos rizomáticos; o tempo da pura duração.

Para nos ajudar a compreender essas diferentes temporalidades que atravessam a
cibercultura lançamos mão de dois conceitos: o labirinto, presente no conto de Jorge Luis
Borges, O jardim de caminhos que se bifurcam (1972), e o rizoma, presente no primeiro
volume de Mil Platôs de Deleuze2 e Guattari (1995). Em ambos os textos, conseguimos
perceber que, subjacente à espacialidade do labirinto e do rizoma, existe o tempo da duração.
E o grande pensador que nos autoriza a pensar sobre esse embaralhamento das categorias de
espaço e tempo é o filósofo francês Henri Bergson3.

Vejamos, então, como estes conceitos, tão intimamente ligados à espacialidade,
apresentam suas conexões com o tempo.

Labirinto

Yu Tsun é o principal personagem do conto de Borges, que se passa na Inglaterra, em
algum momento da Primeira Guerra Mundial. Agente do império alemão, Yu Tsun foge do
seu algoz, o capitão Madden. Mas antes de ser capturado, precisa garantir que o exército
alemão saiba o nome da cidade onde se encontra o novo parque de artilharia britânico. E para
isso parte para Ashgrove a fim de encontrar Stephen Albert, cuja casa se encontra no centro
de um labirinto em forma de jardim. Coincidentemente, o avô de Yu Tsun, Ts´ui Pen, fora um
criador de labirintos que abandonara sua vida como governador para se empenhar na criação
de um labirinto e na escrita de um romance. Após 13 anos de empenho, é assassinado por um
desconhecido. Sua família, não encontrando o labirinto e seu romance lhe parecendo caótico,
acredita que ele fracassara em sua empreitada. Quem desvenda o mistério da obra de Ts´ui
Pen é Stephen Albert, que conquista a admiração de Yu Tsun, mas que mesmo assim acaba
sendo assassinado por ele, pois seu nome coincidia com o local de abrigo da artilharia
britânica e desta forma sua morte denunciaria o local ao comandante alemão.4

Stephen Albert decifra a charada graças a um fragmento de carta deixado por Ts´ui
Pen antes de morrer: “Deixo aos vários futuros (não a todos) meu jardim de caminhos que se
bifurcam” (BORGES, 1972, p. 104). Ele descobre, então, que esse jardim é, na verdade, o
romance que em sua forma não linear de contar histórias esconde um “invisível labirinto de
tempo” (BORGES, 1972, p. 103).

Por isso, o labirinto oculta em sua espacialidade múltiplos tempos; não apenas um
único tempo uniforme, homogêneo, abstrato, mas “[...] infinitas séries de tempos, uma rêde
crescente e vertiginosa de tempos divergentes, convergentes e paralelos. Essa trama de
tempos que se aproximam, se bifurcam, se cortam ou que secularmente se ignoram, abrange
tôdas as possibilidades.” (BORGES, 1972, p. 107-108) O conto revela ainda que numa
charada a única palavra proibida no seu enunciado é a que resolve a mesma e, por isso,
inerente ao labirinto está o tempo, que jamais é mencionado.

Outro elemento instigante no conto de Borges é não apenas o modo como o tempo é
problematizado através da história de Yu Tsun, mas como em seu interior coexistem vários
tempos. Enquanto divaga, percorrendo as bifurcações que o levam de encontro a Stephen
Albert, Yu Tsun imagina um labirinto de labirintos, “um sinuoso labirinto crescente que
abarcasse o passado e o futuro e que envolvesse, de algum modo, os astros. Absorto nessas
imagens ilusórias, esqueci meu destino de perseguido. Senti-me, por um tempo
indeterminado, conhecedor abstrato do mundo.” (BORGES, 1972, p. 100, grifo do autor)
Trata-se do tempo interno do personagem, que se encontra completamente absorto nas
veredas do jardim; é o tempo da pura duração. Por sua vez, existe ainda o tempo que lhe é
externo, mensurável, como quando está deitado na sua cama, no quarto do hotel, por volta das
6 da tarde, ou quando toma o trem que parte para Ashgrove, às 8 e 50 da noite, ou ainda
quando se dá conta de que a diferença entre os horários das partidas dos trens é o que lhe
salva a vida.

Mas existe também um outro tempo, que é mencionado na própria história, mas que só
faz sentido no final e que parece ser um metatempo: o tempo circular, que retorna de onde
partiu. Stephen Albert comenta com Yu Tsun como o romance para ser infinito precisava ser
necessariamente circular:

Antes de exumar esta carta, eu tinha me perguntado 
de que maneira um livro pode
ser infinito. Não conjeturei outro processo 
que o de um volume cíclico, circular. 
Um volume cuja última página fôsse idêntica à primeira, 
com possibilidade de continuar
indefinidamente. Recordei também aquela noite 
que está no centro das Mil e Uma
Noites, quando a Rainha Scheherazade 
(por uma mágica distração do copista) põe-se
a referir textualmente a história 
das Mil e Uma Noites, com risco 
de chegar outra
vez à noite na qual está fazendo o relato, 
e assim até o infinito” 
(BORGES, 1972, p.104)

Assim como Ts´ui Pen, criador do labirinto, é assassinado por um desconhecido, seu
bisneto, Yu Tsun, reassume a condição do assassino ao executar Stephen Albert, decifrador da
charada do labirinto. O círculo reencontra, então, seu início.

Rizoma

Deleuze e Guattari lançam a idéia do rizoma como sistema a-centrado para indicar um
inconsciente labiríntico, que funciona como as tocas de ratos, ou tubérculos, compostos de
caminhos em bifurcação, como as valas que a água da chuva deixa na terra. Segundo os
autores, o inconsciente rizomático opõe-se ao da psicanálise, que é fundado num sistema
centrado, hierárquico, arborescente, como uma raiz ou radícula. As mesmas observações
valem para a linguística. Sendo assim, seja para os enunciados, seja para os desejos, “a
questão não é nunca reduzir o inconsciente, interpretá-lo ou fazê-lo significar segundo uma
árvore. A questão é produzir inconsciente e, com ele, novos enunciados, outros desejos: o
rizoma é esta produção de inconsciente mesmo.” (DELEUZE; GUATTARI, 1995, p. 28)

Rizomas são tubérculos, bulbos cujas raízes expandem-se extensivamente e em todos
os sentidos; são os animais que vivem em matilhas. O rizoma é caracterizado por sua
conectividade, de um ponto que o compõe com qualquer outro ponto. É multiplicidade, pois
não tem sujeito, nem objeto; não possui unidades de medida, mas grandezas. O rizoma possui
apenas linhas e não pontos, como no sistema arborescente. É relação de heterogêneos, pois
assim são os devires que o compõe; é o exemplo do conjunto vespa-orquídea, uma involução5,
uma ruptura a-significante, em que uma parte pode se separar de outra e, mesmo assim,
manter o rizoma. Os vírus são rizomáticos devido à sua forma de transmitir transversalmente
informação genética.

O rizoma também é mapa, diferentemente de um decalque, por ancorar-se no real. “O
mapa é aberto, é conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível, suscetível
de receber modificações constantemente. Ele pode ser rasgado, revertido, adaptar-se a
montagens de qualquer natureza, ser preparado por um indivíduo, um grupo, uma formação
social.” (DELEUZE; GUATTARI, 1995, p. 22)

Mas mais do que tudo, o rizoma é hecceidade, acontecimento fruto do agenciamento
entre heterogêneos, de articulações espaço-temporais. E as singularidades que percorrem o
rizoma são os nômades, que constituem trajetórias sem finalidades pré-determinadas, sem
alvos, sem pontos a serem atingidos, pois estão mais preocupados com o caminho, com o
durante, com a duração. Por isso, não se apropriam do território, não se vinculam a ele. Ao
contrário dos migrantes, a quem está subjacente a idéia de abandono local, os nômades não
têm essa preocupação. Seu trânsito se dá pelo meio, pois é por aí que “coisas adquirem
velocidade. Entre as coisas não designa uma correlação localizável que vai de uma para outra
e reciprocamente, mas uma direção perpendicular, um movimento transversal que as carrega
uma e outra, riacho sem início nem fim, que rói suas duas margens e adquire velocidade ao
meio.” (DELEUZE; GUATTARI, 1995, p.37)

Daí a diferenciação que Deleuze e Guattari fazem entre movimento e velocidade,
sendo o primeiro extensivo e o segundo intensivo.6 E a velocidade está ligada ao espaço liso,
que é rizomático; era o mar, antes de ser estriado, dividido em meridianos e cartografado. “No
espaço liso, portanto, a linha é um vetor, uma direção e não uma dimensão ou uma
determinação métrica” (DELEUZE, GUATTARI, 1997b, p.185)
Numa definição um pouco mais precisa, no rizoma

[...] a comunicação se faz de um vizinho a um vizinho qualquer 7, 
onde as hastes ou
canais não preexistem, nos quais os indivíduos 
são todos intercambiáveis, se
definem somente por um estado a tal momento, 
de tal maneira que as operações
locais se coordenam e o resultado final global 
se sincroniza independente de uma
instância central. (DELEUZE, 1995, p. 27, grifo nosso)




Duração

No seu primeiro livro, Ensaio sobre os dados imediatos da consciência (1988), Henri
Bergson critica os métodos científicos que procuram quantificar a intensidade dos estados de
consciência e chega à conclusão de que isso ocorre porque para atribuir uma grandeza ao que
é intenso introduzimos uma certa espacialidade. Para ilustrar como isso ocorre, ele utiliza o
exemplo de uma mola que se contrai e se distende, e que é dotada de uma certa extensão e
portanto quantificável, para explicar como confundimos aquilo que é intenso com o que é
extenso.8 E o que é extenso (espaço) acaba penetrando em outros conceitos, como o de tempo.
Desta forma, o tempo passa a ser visto pela ciência como uma categoria igualmente
quantificável e, portanto, desconsidera a perspectiva de um tempo qualitativo. Bergson
esclarece isso com o exemplo do açúcar que se dissolve no copo de água:

Se eu quiser preparar um copo de água com açúcar não tenho outro remédio senão
esperar que o açúcar se dissolva. Este fato insignificante tem muito para nos ensinar.
Porque o tempo que é necessário esperar já não é o tempo matemático que se
aplicaria na mesma ao longo da história inteira do mundo material, caso ela se
achasse exposta duma vez só no espaço. É um tempo que coincide com a minha
impaciência, isto é, com uma certa porção da minha própria duração, a qual não
pode ser esticada nem encolhida a nosso bel-prazer. Não se trata já do pensado, mas
do vivido. Não é uma relação, é o absoluto. (BERGSON, 1964, p. 48-49).

Esse absoluto é, na verdade, uma experiência temporal heterogênea, pois está ligada à
qualidade, inerente à duração. E a homogeneidade está ligada a uma ausência de qualidade,
tanto no espaço, quanto no tempo. Como para a ciência moderna ambas categorias são
grandezas homogêneas, divisíveis e quantificáveis, ela é incapaz de apreender o qualitativo do
movimento e da duração, porque nem uma, nem outra são formadas por partes; ambas só
podem ser capturadas em sua integridade. “É que a duração e o movimento são sínteses
mentais, e não coisas.” (BERGSON, 1988, p. 84). A pesquisadora Margaret Wertheim reitera
essa incapacidade da ciência, mais especificamente dos físicos, de compreenderem esse
tempo: “Na visão de mundo dos físicos do hiperespaço, o tempo não é mais um atributo da
experiência humana subjetiva, torna-se um mero artefato de manipulação matemática. [...]
Nossa experiência mais fundamental do tempo como algo vivido e pessoal é abolida.” (2001,
p. 159)

Bergson, então, identifica a existência de dois espaços: um que é homogêneo, fruto de
um esforço de abstração e de uma ação da inteligência e que é destituído de qualidade; outro
que é heterogêneo, ligado às qualidades sensíveis, inerente à duração. E mesmo com relação à
duração ele vai mostrar que existem duas concepções possíveis: uma pura e outra mista em
que permanece a idéia de espaço. “A duração totalmente pura é a forma que a sucessão dos
nossos estados de consciência adquire quando o nosso eu se deixa viver, quando não
estabelece uma separação entre o estado presente e os anteriores.” (BERGSON, 1988, p. 72)
No caso da duração mista, ele fornece um exemplo simples: um ponto que percorre a linha AB
não seria capaz de detectar a espacialidade da linha que percorre; apenas detectaria a
sensação do movimento, ou a duração pura. Somente perceberia esse espaço se se colocasse
acima da linha e se visse a si próprio percorrendo-a. (BERGSON, 1988, p. 74)

A idéia de que todas as coisas acontecem precisamente no presente remete à duração
pura. Para Bergson, passado e presente não estão distantes: agem concomitantemente: “O
passado e o presente não designam dois momentos sucessivos, mas dois elementos que
coexistem: um, que é o presente e que não pára de passar; o outro, que é o passado e que não
pára de ser, mas pelo qual todos os presentes passam.” (DELEUZE, 1999, p. 45) Yu Tsun,
protagonista do conto de Borges, tem essa percepção quando fala: “todas as coisas nos
acontecem precisamente, precisamente agora. Séculos de séculos e apenas no presente
ocorrem os fatos [...]” (BORGES, 1972, p. 96).

É na duração pura, então, que se percebe a impossibilidade de repetição, que se nota as
diferenças das coisas. “A duração real é aquela que morde as coisas e nelas deixa a marca dos
dentes. Se tudo está no tempo, tudo muda interiormente, e a mesma realidade concreta nunca
se repete. Portanto, a repetição só é possível no abstrato” (BERGSON, 1964, p. 78). A
duração faz com que as coisas se diferenciem de si mesmas; portanto, o que é diferente é o
novo. Enfim, trata-se de uma heterogeneidade.

O que se produz de novo nada é nos objetos, 
mas no espírito que os contempla, é
uma ‘fusão’, uma ‘interpenetração’, 
uma ‘organização’, uma conservação do
precedente que não desaparece quando o 
outro aparece, enfim, uma contração que se
faz no espírito.” (DELEUZE, 1999, p. 115).

Assim como no labirinto de Borges em que a duração é uma das possíveis
temporalidades, a pesquisadora Lilian Schwarcz em um breve estudo sobre Cronos e Aion,
sobre o tempo histórico e o tempo antropológico, relembra como em A montanha mágica, de
Thomas Mann, o tempo no sanatório onde permanece Hans Castorp é pura intensidade. Para
ele, a sopa que lhe servem todos os dias, sempre na mesma hora, “é servida eternamente”
(SCHWARCZ, 2000, p. 22). E esta é a chave para entender a relação entre espacialidade e
tempo: “Onde há espaço há muito tempo” (MANN, 1980, p. 273 apud SCHWARCZ, 2000, p.
22).

A experiência do tempo vivido por Castorp ou passava rapidamente ou não passava
nunca. Ele sentia que as sete semanas vividas como paciente poderiam tanto parecer 7 dias
como 7 anos. Esse aspecto do tempo que lhe escapava e que nos é igualmente fugidio é o da
duração. É o tempo de Yu Tsun em suas divagações, enquanto percorre o labirinto. É o tempo
do sonho.

Temporalidades

André Lemos, ao recuperar Mircea Eliade, faz uma analogia da cibercultura com a
hierofania, de um sentimento de encantamento9 que é compartilhado pela coletividade que se
constitui no ciberespaço: “A hierofania aparece pela absorção. Passamos horas a fio
conectados sem nos darmos conta. Esta prática liga-se ao antiquíssimo desejo de ubiqüidade,
acessando a consciência planetária” (2004, p. 133).

Nos games on e off-line, nos chats, nos softwares para os mais diversos fins, enfim,
em praticamente tudo que envolve tecnologias digitais e do virtual, percebemos que os
usuários absorvem-se neste tempo heterogêneo:

“circular pela Web, participar dos MUDs, recomeçar 
um jogo eletrônico ou um CD
Rom, perder-se nos links dos hipertextos como
 um ciber-flâneur, voltar várias vezes
à home page preferida, etc, tudo isto faz 
do tempo real do ciberespaço um tempo
especial que impregna toda 
a cultura contemporânea.” 
(LEMOS, 2004, p. 134, grifonosso)

E esse “tempo especial” é o da intensidade dos estados de consciência, da duração
pura. Por isso, as várias horas despendidas na frente de um computador e o tempo vivido são
de naturezas distintas, mas que são compartilhados nas trajetórias nômades e errantes das
linhas do rizoma.

A pesquisadora Suely Fragoso (2003) chama a atenção para os aspectos nem sempre
agradáveis da imposição de uma imediatez resultante da compressão espacial e que acaba nos
lançando em velocidades vertiginosas: nossa experiência do real acaba perdendo substância,
para não dizer que muitas vezes corremos o risco de esquecer o que é de fato sentir o mundo,
de tal forma mergulhamos no universo mediado do ciberespaço. No entanto, a própria autora
afirma que é preciso considerar todos os lados possíveis para um melhor entendimento dos
fenômenos, já que o próprio ciberespaço apresenta uma configuração múltipla. Por isso, os
estudos relativos à percepção do espaço e do tempo na cibercultura não estão esgotados, e a
literatura, assim como a filosofia, podem oferecer possibilidades inusitadas de compreender
melhor tais aspectos.

No caso deste trabalho, foi possível perceber o quão entrelaçados estão o rizoma e o
labirinto. Funcionando como metáforas para o inconsciente, ambos são compostos de fluxos,
de linhas e de velocidades. Não têm começo e nem fim, dão voltas em si mesmos; são
infinitos universos de possíveis.10

E o sujeito, na intersecção desses múltiplos tempos, não existe.11 E não existe porque o
que percorre tanto o labirinto quanto o rizoma não são nem sujeitos, nem objetos, mas
velocidades, fluxos, devires que se constituem em cada bifurcação. “Pareceu-me que o úmido
jardim que rodeava a casa estava saturado até o infinito de pessoas invisíveis. Essas pessoas
eram Albert e eu, secretos, atarefados e multiformes em outras dimensões do tempo.”
(BORGES, 1972, p. 108)

Rizoma e labirinto, então, têm seus sentidos ampliados graças a Deleuze-Guattari e a
Borges. Não é à toa, portanto, que estes pensadores consagraram-se como visionários da
internet e sua conectividade, da multiplicidade da rede e seus devires, dos mundos possíveis e
da grande charada que é o tempo.

1 Para um melhor entendimento acerca da cibercultura como objeto de pesquisa, recomendamos, além do livro de André Lemos (2002), várias vezes referenciado neste trabalho, o texto de Erick Felinto, “Sem mapas para esses
territórios: a cibercultura como campo de conhecimento” (2007).
2 Embora Gilles Deleuze já tivesse escrito um pequeno livro intitulado Rhizome (1976), adotamos o livro que
consolidou esse conceito e que é amplamente conhecido pelas pesquisas de cibercultura.
3 Henri Bergson (1859-1941) elaborou vários conceitos que se mostram muito pertinentes para as pesquisas em comunicação, mais especialmente seus estudos sobre os mecanimos do pensamento, matéria, memória,
movimento, negatividade e duração. Em suas obras, ele também procurou derrubar os conceitos e componentes metafísicos que permaneciam subjacentes na ciência moderna e que excluía a duração das suas observações.
4 O conto, ainda, é sedutor por vários fatores, dentre os quais destacamos: o fato do criador e do decifrador do labirinto serem assassinados e o fato de Yu Tsun ser catedrático de inglês numa escola alemã em Tsingtao,enquanto Stephen Albert ser sinólogo. Fica evidente a mútua admiração de um pelo outro no conto, mas que
naquele desfecho, naquela vereda por que a história se encaminha, termina de modo trágico. Interessante pensar também que Ts´ui Pen renuncia ao poder temporal justamente para eternizar-se através de sua obra, assim como Borges...
5 A involução não pode ser confundida como uma regressão ou uma oposição à evolução. A involução é uma “evolução [...] entre heterogêneos.” (DELEUZE; GUATTARI, 1997a, p. 19)
6 “[...] o movimento pode ser muito rápido, nem por isso é velocidade; a velocidade pode ser muito lenta, ou
mesmo imóvel, ela é, contudo, velocidade.” (DELEUZE; GUATTARI, 1997b, p. 52)
7 Semelhante à conexão peer to peer na internet?
8 Ele, inclusive, cogita a possibilidade de que isso ocorra por uma incapacidade da linguagem de abarcar esses estados de intensidade. “Talvez a dificuldade do problema derive do fato de darmos o mesmo nome e
representarmos da mesma maneira intensidades de natureza muito diferente, a intensidade de um sentimento, por exemplo, e a de uma sensação ou de um esforço.” (BERGSON, 1988, p. 15)
9 Esse sentimento de encantamento e mágica que envolve o ciberespaço é o objeto de estudo de Margaret
Wertheim e suas configurações quase religiosas não são novas, mas herança de visões seculares cristãs. Como
ela escreve, está “interessada em indagar: o que há nesta sociedade neste ponto particular da história – isto é, nosEstados Unidos no início do século XXI – que cria um clima tão propício para o sonho quase religioso do
ciberespaço?” (WERTHEIM, 2001, p. 16).
10 “A idéia do futuro, prenhe de uma infinidade de possíveis, é pois mais fecunda do que o próprio futuro, e é por isso que há mais encanto na esperança do que na posse, no sonho do que na realidade.” (BERGSON, 1988, p.16)
11 “Não existimos na maioria dêsses tempos.” (BORGES, 1972, p. 107-108)

Bibliografia
BERGSON, Henri. Ensaio sobre os dados imediatos da consciência. Lisboa: Edições 70, 1988.
-----. A evolução criadora. Rio de Janeiro: Ed.Delta, 1964.
BORGES, Jorge Luis. O Jardim de caminhos que se bifurcam. In: ___. Ficções. Porto Alegre: Abril Cultural/
Globo, 1972.
DELEUZE, Gilles. Bergsonismo. São Paulo: Ed. 34, 1999.
DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995, v. 1.
----- (a). Mil Platôs. São Paulo, Ed. 34, 1997, v. 4.
----- (b). Mil Platôs. São Paulo, Ed. 34, 1997, v. 5.
FELINTO, Erick. “Sem mapas para esses territórios”: a cibercultura como campo de conhecimento. XXX
Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Santos, 2007.
FRAGOSO, Suely. Um e muitos ciberespaços. In: LEMOS, André; CUNHA, Paulo. Olhares sobre a
cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003.
LEMOS, André. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. 2ª ed, Porto Alegre:
Sulina, 2004.
SCHWARCZ, Lilian Moritz. Falando de tempo. Revista Sexta Feira, v. 5, p. 10-24. 2000.
WERTHEIM, Margaret. Uma história do espaço: de Dante à internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

*Ana Elisa Antunes Viviani é Mestre em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da
Universidade de São Paulo.


Ilustrações do cubo giratório demoram um pouco a carregar.

15 novembro, 2010

Frases: Edgar Morin, Luiz Gilberto de Barros, Clarice Lispector e Jiddu Krishnamurti




O inesperado surpreende-nos...

É que nos instalamos de maneira segura em nossas teorias e ideias 
e estas não têm estruturas para acolher o novo. 
Entretanto, o novo brota sem parar. Não podemos jamais prever como 
se apresentará, mas deve-se esperar sua chegada, 
ou seja, esperar o inesperado. 
E quando o inesperado se manifesta, é preciso ser capaz de rever 
nossas teorias e ideias, ao invés de deixar o fato novo entrar 
à força na teoria incapaz de recebê-lo.

- Edgar Morin -


Tu nunca estás sozinho

Tu não sabes teu caminho,
Mas teu pé ainda pisa
Tu nunca estás sozinho,
Teu olhar sempre te avisa.

Se tombas na pedra lisa,
O teu braço te sustenta,
Se a dor é violenta,
Tua fé te tranqüiliza.

Se o medo te aterroriza,
Tua força te resgata
E por mais que alguém te bata,
Teu silêncio te organiza.

E se tua alma desliza
Na solidão repentina,
A lágrima em tua retina
É só um sopro de brisa.

* Luiz Gilberto de Barros *


A percepção de que o tempo está passando é, ao mesmo tempo, 
maravilhosa e assustadora. 
O devir causa-me a angustiosa pretensão de fazer com que 
a vida adquira um sentido sempre interessante...

Mas é a vida em si tão absurda e tão intensamente inacreditável que me inquieta!
A vida que teima em surgir em vários espaços... 
a vida que teima em renascer continuamente... 
a vida que se afirma contra a força da destruição e da morte...
a vida que também pulsa em mim! 

- Clarice Lispector -


Eu chorei, mas não desejo que os demais chorem; mas se o fizerem, agora sei o
que isso significa. (...) É preciso que se libertem, não por minha causa, mas
apesar de mim. Toda esta vida e, especialmente nos últimos meses, tenho lutado
para ser livre – livre de meus amigos, dos meus livros, de minhas associações.

Vocês devem lutar pela mesma liberdade. 
Deve haver uma constante inquietação interior. 
Segurem um espelho constantemente à sua frente. 
Se houver algo indigno do ideal que criaram para si mesmos, mudem-no. 
Não façam de mim uma autoridade. Se eu me tornar uma necessidade para vocês, 
o que farão quando eu partir? 

Alguns de vocês acreditam que eu possa lhes dar uma bebida que os tornará livres, 
que posso lhes dar uma fórmula que os libertará – mas não é assim. 
Eu posso ser a porta, mas vocês devem passar por ela 
e encontrar a libertação que está além dela... 

A verdade chega como um ladrão – quando menos se espera por ela. 
Gostaria de poder inventar uma nova língua; como não posso, 
gostaria de destruir a velha fraseologia e antigos conceitos. 

Ninguém pode lhes dar a libertação. Terão de encontrá-la dentro de si, 
mas porque eu a encontrei, eu lhes mostrarei o caminho... 
Aquele que atingiu a libertação tornou-se um instrutor. 
Cada um de vocês têm o poder de entrar na chama, de se tornarem a própria chama... 

A libertação não se destina aos poucos, aos escolhidos, aos eleitos.

* Jiddu Krishnamurti * 



Jiddu Krishnamurti sobre ação sem idéia





Pergunta: O senhor defende a ação sem a idéia como caminho para a verdade. 
É possível agirmos em todos os momentos sem uma idéia, isto é, 
sem um propósito em vista?

Krishnamurti: O que entendemos por ação? 
Nossa ação, ou seja, o que queremos fazer ou ser, é baseado na idéia, não é? 
Isto é, temos idéias, ideais, várias formas em relação 
ao que somos ou ao que não somos. A base de nossa ação é o desejo 
de uma recompensa no futuro, ou o medo de uma punição. 
Sabemos disso, não sabemos? Essa atividade isola, é confinante. 
Temos uma idéia sobre a virtude e vivemos de acordo com essa idéia. 
Agimos de acordo com ela em nossos relacionamentos.
 Para você, relacionamento, coletivo ou individual, é uma ação voltada 
para um ideal, para a virtude, para a realização de algo, e assim por diante.
Quando a minha ação é baseada em um ideal, que é uma idéia, 
e digo “preciso ser corajoso”, “preciso seguir os bons exemplos”,
 “preciso ser caridoso”, “preciso ter consciência social”, 
essa idéia modela a minha ação. 
Todos nós dizemos que há exemplos de virtude que precisamos seguir, 
o que significa que estamos dizendo que precisamos viver de acordo com isso. 

Então, a ação se baseia em uma idéia. Entre a ação e a idéia, há uma distância, 
um processo do tempo. Em outras palavras, não sou caridoso, 
não sou amoroso, mas sinto que preciso ser;não sei perdoar, 
mas sinto que preciso aprender. Desse modo, há uma brecha entre 
o que sou e o que devo ser, e passo o tempo todo tentando fechar essa brecha. 
O que aconteceria se não existisse a idéia? Não haveria essa brecha, não é? 
Seriamos o que somos. Se você diz “sou feio, vou fazer de tudo para ser bonito”, 
essa é uma ação baseada em uma idéia. 
Você apresenta a idéia separada da ação. 
Assim nunca há uma verdadeira ação baseada no que você é, mas sempre 
uma ação baseada no ideal do que você será. 
O homem estúpido sempre diz que será inteligente. 
Trabalha e luta para isso, nunca para, mas nunca reconhece sua estupidez, 
dizendo “sou estúpido”. 
Dessa forma, sua ação, baseada em uma idéia, não é ação. 
Ação significa fazer, mudar. 
Mas quando temos uma idéia, 
o que está acontecendo é pura ideação, um processo do pensamento 
em relação à ação. Se não há idéia, o que acontece? 

Somos o que somos.
Somos cruéis, estúpidos incapazes de perdoar, de praticar a caridade.
Podemos reconhecer isso?
Se podemos vejamos o que acontece.
Quando reconheço que não sou caridoso, ou que sou estúpido, quando estou cônscio disso, plenamente, não de modo artificial, só o fato de ver isso já não me torna
caridoso, inteligente?
Quando vejo a necessidade de estar limpo, é muito simples, vou me lavar.
Mas se estar limpo é um ideal, a limpeza é adiada ou feita de maneira superficial.

A ação baseada na idéia é muito superficial.
Não há ação verdadeira, apenas ideação, o que não passa de um processo do pensamento.
A ação que nos transforma como seres humanos, que nos regenera,
que nos redime, não é baseada na idéia.
É uma ação que não tem relação com desejo de recompensa ou medo de punição.
Tal ação é atemporal porque a mente, que é um processo do tempo, do processo calculista, separador, isolador, não participa dela. 

Não é fácil responder a essa pergunta que me foi feita.
As pessoas me fazem uma pergunta e esperam a resposta seja
“sim” ou “não”.
É fácil, para elas, perguntar o que quero dizer com isso ou com aquilo
e, então, simplesmente escutar a minha explicação.
Encontrar a resposta por si mesmas, entrar na questão profundamente,
sem nenhuma corrupção, de modo tão lúcido que faça o problema desaparecer,
é muito difícil. Isso só é possível quando a mente
está realmente tranqüila e em silêncio diante do problema.

Quando se ama o problema, ele é tão lindo quanto o pôr do sol.
Se você se mostra antagônico ao problema,
nunca o compreenderá.
Muitos de nós somos antagônicos porque temos medo do resultado,
do que possa acontecer se formos em frente,
então não vemos a importância e o alcance do problema.

J. Krishnamurti In: A Primeira e Última Liberdade. Pgs 283-285
Ed Nova Era, 2010 Tradução Vera Martins :

Citação colhida na comunidade do orkut:

13 novembro, 2010

Oscar Wilde e Carlos Drummond de Andrade sobre gostos e verdades




TENHO GOSTOS EXTREMAMENTE SIMPLES:
SOMENTE O MELHOR ME SATISFAZ.

(Oscar Wilde)



A verdade

A porta da verdade estava aberta,
Mas só deixava passar
Meia pessoa de cada vez.
Assim não era possível atingir toda a verdade,
Porque a meia pessoa que entrava
Só trazia o perfil de meia verdade,
E a sua segunda metade
Voltava igualmente com meios perfis
E os meios perfis não coincidiam verdade...
Arrebentaram a porta.
Derrubaram a porta,
Chegaram ao lugar luminoso
Onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
Diferentes uma da outra.
Chegou-se a discutir qual
a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela
E carecia optar.
Cada um optou conforme
Seu capricho,
sua ilusão,
sua miopia.

Carlos Drummond de Andrade


Sou uma espécie de pássaro encantado
que não aceita gaiolas nem qualquer tipo de prisão.
Minha mágica está justamente no bater de asas
que se douram pertinho do sol
e o meu maior prazer é ir e vir quando o coração
- minha única bússola - pede...

(Autor:??? Mas poderia ser eu!)


Um abraço pra você.
E um beijo.


Fernando Pessoa: Mas eu, Mais triste do que o que acontece e Eu, eu mesmo





Mas eu

Mas eu, em cuja alma se refletem
As forças todas do universo,
Em cuja reflexão emotiva e sacudida
Minuto a minuto, emoção a emoção,
Coisas antagônicas e absurdas se sucedem -
Eu o foco inútil de todas as realidades,
Eu o fantasma nascido de todas as sensações,
Eu o abstrato, eu o projetado no écran,
Eu a mulher legítima e triste do Conjunto
Eu sofro ser eu através disto tudo como ter sede sem ser de água.

................................................................................

Mais triste do que o que acontece

Mais triste do que o que acontece
É o que nunca aconteceu.
Meu coração, quem o entristece?
Quem o faz meu?
Na nuvem vem o que escurece
O grande campo sob o céu.
Memórias? Tudo é o que esquece.
A vida é quanto se perdeu.
E há gente que não enlouquece!
Ai do que em mim me chamo eu!

...............................................................................

Eu, eu mesmo

Eu, eu mesmo...
Eu, cheio de todos os cansaços
Quantos o mundo pode dar. -
Eu...
Afinal tudo, porque tudo é eu,
E até as estrelas, ao que parece,
Me saíram da algibeira para deslumbrar crianças...
Que crianças não sei...
Eu...
Imperfeito ? Incógnito ? Divino ?
Não sei...
Eu...
Tive um passado ? Sem dúvida...
Tenho um presente ? Sem dúvida...
Terei um futuro ? Sem dúvida...
A vida que pare de aqui a pouco...
Mas eu, eu...
Eu sou eu,
Eu fico eu,
Eu...

Fernando Pessoa



Yes: Perpetual Change: YES!





Perpetual Change
(Anderson/Squire)

I see the cold mist in the night
And watch the hills roll out of sight.
I watch in ev'ry single way,
Inside out, outside in, ev'ry day.

The sun can warm the coldest dawn
And move the movement on the lawn.
I learn in ev'ry single day,
Inside out, outside in, ev'ry way.

And there you are,
Making it up but you're sure that it is a star,
And boy you'll see
It's an illusion shining down in front of me,
And then you'll say
Even in time we shall control the day,
When what you'll see
Deep inside base controlling you and me.

And one peculiar point I see,
As one of many ones of me.
As truth is gathered, I rearrange,
Inside out, outside in, inside out, outside in,
Perpetual change.

And there you are,
Saying we have the moon, so now the stars,
When all you see
Is near disaster gazing down on you and me,
And there you're standing,
Saying we have the whole world in our hands,
When all you'll see,
Deep inside the world's controlling you and me.

You'll see perpetual change.
You'll see perpetual change.

And there you are,
Making it up but you're sure that it is a star,
And boy you'll see
It's an illusion shining down in front of me,
And then you'll say
Even in time we shall control the day,
When what you'll see
Deep inside base controlling you and me.

As mist and sun are both the same,
We look on as pawns of their game.
They move to testify the day,
Inside out, outside in, inside out, outside in,
All of the way.
Ah, Ah.