29 maio, 2010

Clarice Lispector: Das vantagens de ser bobo



O bobo, por não se ocupar com ambições, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo. O bobo é capaz de ficar sentado quase sem se mexer por duas horas. Se perguntado por que não faz alguma coisa, responde: "Estou fazendo. Estou pensando."


  Ser bobo às vezes oferece um mundo de saída porque os espertos só se lembram de sair por meio da esperteza, e o bobo tem originalidade, espontaneamente lhe vem a idéia.


O bobo tem oportunidade de ver coisas que os espertos não vêem. Os espertos estão sempre tão atentos às espertezas alheias que se descontraem diante dos bobos, e estes os vêem como simples pessoas humanas. O bobo ganha utilidade e sabedoria para viver. O bobo nunca parece ter tido vez. No entanto, muitas vezes, o bobo é um Dostoievski.


  Há desvantagem, obviamente. Uma boba, por exemplo, confiou na palavra de um desconhecido para a compra de um ar refrigerado de segunda mão: ele disse que o aparelho era novo, praticamente sem uso porque se mudara para a Gávea onde é fresco. Vai a boba e compra o aparelho sem vê-lo sequer. Resultado: não funciona. Chamado um técnico, a opinião deste era de que o aparelho estava tão estragado que o conserto seria caríssimo: mais valia comprar outro. Mas, em contrapartida, a vantagem de ser bobo é ter boa-fé, não desconfiar, e portanto estar tranqüilo. Enquanto o esperto não dorme à noite com medo de ser ludibriado. O esperto vence com úlcera no estômago. O bobo não percebe que venceu.


  Aviso: não confundir bobos com burros. Desvantagem: pode receber uma punhalada de quem menos espera. É uma das tristezas que o bobo não prevê. César terminou dizendo a célebre frase: "Até tu, Brutus?"


  Bobo não reclama. Em compensação, como exclama!  


Os bobos, com todas as suas palhaçadas, devem estar todos no céu. Se Cristo tivesse sido esperto não teria morrido na cruz.


  O bobo é sempre tão simpático que há espertos que se fazem passar por bobos. Ser bobo é uma criatividade e, como toda criação, é difícil. Por isso é que os espertos não conseguem passar por bobos. Os espertos ganham dos outros. Em compensação os bobos ganham a vida. Bem-aventurados os bobos porque sabem sem que ninguém desconfie. Aliás não se importam que saibam que eles sabem.


  Há lugares que facilitam mais as pessoas serem bobas (não confundir bobo com burro, com tolo, com fútil). Minas Gerais, por exemplo, facilita ser bobo. Ah, quantos perdem por não nascer em Minas!


  Bobo é Chagall, que põe vaca no espaço, voando por cima das casas. É quase impossível evitar excesso de amor que o bobo provoca. É que só o bobo é capaz de excesso de amor. E só o amor faz o bobo.

5 comentários:

rose disse...

O bobo, por não se ocupar com AMBIÇOES, tem tempo para ver, ouvir e tocar o mundo.

Cida Gaiofatto disse...

Querido amigo Ce, achei oportuno postar o que escrevi já faz algum tempo...

Meio bobo.

Um jeito meio bobo de quem crê,
tudo vê com olhos puros de ver
a vida de espanto pintada,
mesmo que amarrotada,
serena, cores vibrantes,
agradecida alegria,
sonho e poesia,
assim, meio desligada......
Feliz cara de bobo,
estupefato,
intuindo silêncios,
de alma ouvinte
atenta em sintonia,
sons do acaso em sincronia...
Aos olhos do outro...
desavisado,
meio bobo...

Gaiô.

VÂNIA PRATA disse...

Se faz de bobo pra melhor passar...ah! ah!Ditado bem popular, mas bastante usado.

Clarice, sempre LISPECTOR....Maravilhosa!

E este espaço,sem comentários...FANTÁSTICO!!!!
PARABENS!!!

Cerikky.. Cesar Ricardo Koefender disse...

Expressões populares como "levar vantagem em tudo", "se fazer de bobo prá passar bem", como lembrou Vânia, são formas que denotam a corrupção dos valores, das práticas e dos relacionamentos vigentes na nossa sociedade.

Algo bem brasileiro que pode e DEVE ser combatido com antagonismo e recusa em aceitar e desempenhar, nos atos e acontecimentos mínimos que ocorrem no cotidiano,esse papel.

A capacidade de espantar-se com as coisas do dia a dia, evitando, portanto, aquela cara gelada e intocável de quem não tem nada a ver com isso... e questionar e até mesmo "botar a boca no trombone" para coibir esse "estado das coisas" é uma coisa de bobo.

Só bobo se espanta com o que se repete.

Só bobo fica espantado quando alguém lhe toma o lugar nas filas,
quando ve os mesmos candidatos se perpetuarem no poder, quando é empurrado e nem pedem desculpas, quando escrevem e enviam emails chatos e cheios de preconceitos que perpetuam discriminações históricas e arraigadas às tradições (da traição no casamento, das mentiras dos filhos, das gozações sobre os velhos, crianças, mulheres, negros, gays e "ingênuos"... ... enfim... dessas piadinhas infâmis que fazem alarde e trazem tanta diversão aos espertos de plantão.

Abomino espertos e abomino, ainda mais, metidos a espertos.

Acho que os bobos é que precisam mostrar a cara, botando sua inteligência, sensibilidade e capacidade de se espantar em práticas-não-militantes, mas continuadas... para tentar desfazer e enfraquecer esse "domínio cultural" dos esperinhos.

Flor disse...

É... muitas vezes a gente se faz de bobo para evitar problemas. Ser bobo é ser muito sábio. Adorei o texto!

Bjs.