09 abril, 2011

Esperanto, por Cristian Ribas




Esperanto

Escrevo pra te alcançar.
Simplesmente,
porque meus olhos não te vêem
mas minha alma te espera
lá na frente.
Sei que é incoerente
traçar nossos planos,
herdar o abandono
e te dar,
de presente,
minha singela companhia.
Mas meu coração
é meu guia.
E mesmo na excassez desses dias,
na razão desequilibrada
que te faz sofrer
por viver na fantasia
o que não te pertence.
Como gostaria
que você entendesse
que não há como desistir,
pra onde correr,
tentar fugir
de quem você é.
Se ainda estamos de pé
é porque temos um valor
que a moeda não paga
e que o amor
não é uma estrada
cercada
só por dor e sofrimento.
E no lapso do tempo,
leio teus pensamentos
em esperanto,
como um canto
que você conhece
mas ainda não sabe
a tradução.

Cristian Ribas


2 comentários:

Fernando disse...

Linda poesia. Palavras simples, mensagem leve, um tipo de pequena angústia equilibrada, daquelas que causa todo amor.

Você fala esperanto? Eu falo; foi uma grata surpresa ler o poema.

Abraços ao poeta!

Cerikky.. Cesar Ricardo Koefender disse...

Também gostei dela.
Tem algumas outras, desse poeta, que também gosto e que já publiquei no blog. Estão no marcador 'poesias e poemas'.

Não falo esperanto.