03 outubro, 2014



Amados(as), muito mais do que a intenção de mostrar se um texto é bom ou não, queria compartilhar com vocês essa visão de luz e breu que a Av. Paulista me trouxe nesse mês de natal. A foto tirei na chuvosa noite de sábado (11/12;10) e lá mesmo escrevi minha brevíssima sensação daquilo tudo. Perdoem-me, mas mando de forma coletiva por conta do final de ano letivo e o tempo escasso que isso gera. Mas pulso por cada um de vocês. Um grande e alado abraço do Carlos que deseja a todos boas canções.


DA AVENIDA PAULISTA NO MÊS DO NATAL



De uma tarde estilhaçada de pingos, a Paulista agora, noturna e marítima, se derrama com seus vitrais natalinos pelas retinas. Enquanto as íris tilintam seus coloridos, vibra uma verdade já dita, lá, quando o tempo amanhecia: “Que o fluxo e reflexo do mar surge das ações do sol e da lua”. É noite na Paulista: mendigos e desvãos vagam obscuros pelas luzes que turvam os noturnos; nos corredores, gritos úmidos desatam seres emudecidos; sobre os concretos adornados e o nublado cinza escuro a camuflar de chuva os anis, pulsa a lua escondida; pensamentos alumbram um sol a pino; e a amizade, de algum lugar, rasgando os descaminhos, entre reflexos e fluxos, redime enfim a poesia.
(Carlos A. F. Tenreiro)




Nenhum comentário: