14 setembro, 2014




A phoenix voa seu vôo,
renascida da palma da mão
e das profundezas da experiência
e do contato com o irredutível e inevitável. 



Nenhum comentário: