04 dezembro, 2008

Fragmentos filosóficos





"Quem gosta de abismos , deve ter asas."
(Nietzsche)

"Amar não é aceitar tudo. Aliás: onde tudo é aceito,
desconfio que haja falta de amor."
(Vladimir Maiakovski)

... O encontro de duas personalidades assemelha-se ao contato
de duas substâncias químicas: se alguma reação ocorre,
ambos sofrem uma transformação ...
( Carl G. Jung )

" Depois que cansei de procurar,
aprendi a encontrar.
Depois que um vento me opôs
resistência,
Velejo com todos os ventos".
(Nietzsche. A Gaia Ciência)


"Em verdade, também não me agradam aqueles para quem todas as coisas são boas,
e que chamam a este mundo o melhor dos mundos.
Chamo-lhes "onisatisfeitos".
A felicidade de gostar de tudo não é dos melhores gostos.
Louvo as línguas delicadas e os estômagos escrupulosos que aprendem
a dizer "eu" e "sim" e "não". Mastigar e digerir tudo, porém...
é fazer como os suínos. Dizer sempre sim, isso só os asnos e
os da sua espécie aprendem."
Nietzsche (Assim falou Zaratustra - Terceira Parte - Do espírito do pesadume - II)

"Agrado-te, meus discursos te são atraentes/desejas seguir-me
e ao trilho de meus passos
Segue-te fielmente a ti mesmo/e assim me seguirás...
suavemente, muito suavemente"
(Nietzsche)

Ser um ser permissível a si mesmo é a glória de existir ...
(Clarice Lispector )

"Em verdade, também não me agradam aqueles para quem todas
as coisas são boas, e que chamam a este mundo o melhor dos mundos.
Chamo-lhes "onisatisfeitos". A felicidade de gostar de tudo não é
dos melhores gostos. Louvo as línguas delicadas e os estômagos
escrupulosos que aprendem a dizer "eu" e "sim" e "não".
Mastigar e digerir tudo, porém...é fazer como os suínos.
Dizer sempre sim, isso só os asnos e os da sua espécie aprendem."
Nietzsche (Assim falou Zaratustra - Terceira Parte -
Do espírito do pesadume - II)

"Não ouse roubar minha solidão se não fores capaz
de me fazer real companhia."
Nietzsche

" É uma pintura ou uma música , mas uma música de palavras, uma pintura com palavras, um silêncio nas palavras, como se as palavras agora regurgitassem seu conteúdo, visão grandiosa ou audição sublime. O específico nos desenhos e pinturas dos grandes escritores (Hugo, Michaux...) não é que essas obras sejam literárias, pois não o são em absoluto; elas chegam a puras visões, que não obstante referem-se ainda à linguagem na medida em que dela constituem a finalidade última, um fora, um avesso, um reverso, mancha de tinta ou escrita ilegível. As palavras pintam e cantam, mas no limite do caminho que traçam dividem-se e se compõem. As palavras fazem silêncio."
(Gilles Deleuze)

Um comentário:

Priscila Lisboa disse...

Vc reuniu os melhores agora,numa real sopa de textos que nos falam até ao tutano...